O diretor e roteirista relembrou que o NETLABTV surgiu em função da grande repercussão da Lei 12.485, a Lei da TV Paga, de setembro de 2011, que mudou o mercado de TV brasileiro ao prever que os canais passassem a exibir três horas e meia de produção nacional por semana.

Foi então, à época, que a NET decidiu demonstrar o seu apoio à produção nacional. Diante da multiplicação da demanda por projetos brasileiros para TV, constatou-se que não havia projetos suficientes. “Conversando com a NET, a  gente entendeu que o desenvolvimento de projetos era o maior gargalo, pois não havia mecanismos claros para este desenvolvimento”, contou Barcinski.

– Primeira Fase – Foco no Desenvolvimento

Barcinski acrescentou que, como as produtoras só poderiam contar com verba pública depois que os projetos estivessem já desenvolvidos, nas edições de 2013 e 2014 do NETLABTV, o foco esteve direcionado para a fase de desenvolvimento, na verba inicial, da concepção da ideia até se ter um projeto apresentável.

Na primeira edição, foram 3.300 participantes cadastrados; na segunda, de 2014, o número subiu para 4.300 projetos cadastrados. Neste mesmo mesmo ano, coerente com o ideal de que o objetivo do NETLABTV sempre foi dar acesso a participantes que não estivessem no mercado audiovisual e de produção de séries, também teve início a realização de oficinas de roteiro.

“Nestas duas edições, fizemos a convocatória, triagem, pitchings, apresentamos para os canais, desenvolvemos os projetos e tivemos um saldo bastante satisfatório”, comenta Barcinski. Dos 16 projetos desenvolvidos, dois foram realizados e outros 12 tiveram produtoras atreladas. “Estamos acompanhando todos e eles estão amadurecendo.”

2017 – Nova Fase: Nasce o NETLABTV

Após o intervalo de dois anos, em que o projeto passou por uma restruturação e se ligou ao Instituto NET Claro Embratel, plataforma ligada ao ensino e educação em diversas áreas de todo o Brasil.

Barcinski observou que, entre 2014 e 2017, o mercado passou por diversas mudanças, que  envolvem desde a criação dos editais de Núcleos Criativos da Ancine, que auxiliaram muitas produtoras a desenvolverem seus projetos de séries, até aquecimento do mercado e demanda maior ainda por séries tanto de ficção quanto não ficção e até online.  

“O que ocorre agora não é mais uma falta crônica de projetos. Há até um excesso de projetos e uma certa dificuldade de triagem. Há muitos profissionais que querem entrar para o circuito de criação e realização de séries, mas não há o mesmo nível de qualificação. Há um número crescente de escolas de roteiros mas que ainda são poucos para a demanda de pessoas interessadas em aprender”, analisa o diretor.

– NETLABTV E blog Inspire-se: Ensino e informação para os criadores

Como o Instituto NET Claro Embratel tem o ensino como um de deus pilares, a ideia do NETLABTV agora é desenvolver também uma plataforma de dados e informações que auxiliem a qualificação de profissionais na área. Em função disso, foram criados  o blog Inspire-se, a série Raio-X de séries brasileiras, entre vários outros conteúdos e outras atividades, como laboratórios e masterclasses, que serão realizadas no início de 2018.

–       Etapas da Edição 2017: triagem técnica dos inscritos e avaliação

Barcinski também anunciou que já está sendo realizada uma triagem técnica dos projetos inscritos em 2017 nas categorias de ficção, não-ficção e social vídeo. Em seguida, eles serão lidos e avaliados por dois profissionais que compõem o júri desta edição, que farão uma pré-qualificação. Após esse processo, haverá rodas de debates sobre os selecionados e, a partir daí, serão escolhidos os finalistas.

Destes, três serão escolhidos e passarão por um laboratório e terão uma monitoria continuada. “Isso é muito importante, pois sentimos que é comum em laboratórios de roteiros que os finalistas tenham uma primeira e uma segunda devolutiva, mas depois não consigam dar um passo além”, detalhou Barcinski. “Portanto, o estágio seguinte, da evolução dos roteiros, é crucial. Depois disso, tem a apresentação para o mercado, quando faremos rodas de pitchings e imersões para que os criadores se aproximem do mercado.

–       Fortalecer todos os polos criativos do Brasil

De olho no fortalecimento da produção de todas as regiões do Brasil, o NETLABTV tem o objetivo de ter amplitude nacional. Barcinski observou que na primeira edição, 74% dos inscritos foram do Sudeste e na segunda, 70% foram do Sudeste.

“O fato é que as inscrições espelham um pouco o mercado, que se concentra muito no eito Rio-SP. Nossa seleção segue primordialmente pela qualidade dos projetos. Mas, conversando com os canais, tentamos dividir os selecionados para que atendam a uma demanda dos canais, ao que eles precisam, para que haja uma variedade”, explicou o diretor.

Ele esclareceu também que a coordenação do NETLABTV também tenta manter a proporcionalidade do regional e corrigir algumas distorções do mercado. “Tentamos ao máximo não concentrar os premiados somente em Rio e São Paulo, tentando descentralizar e corrigir distorções históricas. O Norte costuma ter 1% das inscrições, Centro-Oeste, 4%. Queremos incentivar que o Centro-Oeste, o Norte e o Sul do Brasil, o Nordeste se inscrevam cada vez mais.”

Novamente, a produção de conteúdo no Blog Inspire-se surge como fonte de acesso à informação para todos, além das mesas de debates que já foram realizadas em Porto Alegre, São Paulo, Rio e Recife.

Por fim, Barcinski reafirmou que os finalistas do NETLABTV 2017 serão divulgados até de fevereiro de 2018 e, até 15 de março, serão divulgados os vencedores. Três em cada categoria serão escolhidos pela comissão de seleção e um pelo voto popular.

Receba NossasNovidades